Anvisa autoriza testes clínicos com duas novas vacinas para Covid-19

Anvisa autoriza testes clínicos com duas novas vacinas para Covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), anunciou a a provação de testes para duas novas vacinas contra covid-19, os teste com as vacinas baseadas em ácido ribonucleico (RNA), inclui cerca de 29 mil voluntários, sendo 1.000 deles no Brasil, distribuídos em São Paulo e na Bahia.

Os ensaios clínicos estudará dois tipos de vacinas para Covid-19: BNT162b1 e BNT162b2,  desenvolvidas pelas empresas BioNTech e Pfizer (Wyeth). Baseadas em ácido ribonucleico (RNA), que codifica um antígeno específico do vírus Sars-CoV-2. O RNA é traduzido pelo organismo humano em proteínas que irão então induzir uma resposta imunológica.

O ensaio clínico aprovado é um estudo fase 1/2/3, controlado com placebo, randomizado, cego para o observador, de determinação de dose, para avaliar a segurança, a tolerabilidade, a imunogenicidade e a eficácia das vacinas candidatas de RNA de Sars-CoV-2 contra Covid-19 em adultos. O ensaio clínico é composto por três estágios e o Brasil participará do estágio 3, que corresponde à fase 2/3 do estudo.

Para esta autorização, a Anvisa analisou os dados das etapas anteriores de desenvolvimento dos produtos, incluindo estudos não clínicos in vitro e em animais, bem como dados preliminares de estudos clínicos em andamento. Os resultados obtidos até o momento demonstraram um perfil de segurança aceitável das vacinas candidatas.

Este é o terceiro estudo de vacina contra o novo coronavírus autorizado pela Anvisa no Brasil. No dia 2 de junho, a Agência autorizou o ensaio clínico da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, para prevenir a Covid-19, e no dia 3 de julho o da vacina desenvolvida pela empresa Sinovac Research & Development Co. Ltd., em parceria com o Instituto Butantan.

 

Veja também: Coronavírus se estabilizou com número alto de mortes, diz Fiocruz

Brasil lidera nações ibero-americanas em pesquisa sobre coronavírus

Vacina de Oxford pode ficar pronta em setembro

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *