Mulher de 119 anos será estudada por pesquisadores da USP

Para descobrir o segredo da longevidade, pesquisadores do Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-tronco da Universidade de São Paulo (USP) buscam  a resposta, ao tentar conhecer melhor a moradora de 119 anos de Itaperuna, no Noroeste do Estado do Rio. Deolira Glicéria Pedro da Silva nasceu em 1905 em Porciúncula, também no Noroeste do estado, mas há quase dois anos mora em Itaperuna. Ela completou 119 anos em 10 de março e é considerada uma das mulheres mais velhas do mundo.

No Guinness Book, o livro que registra os recordes, a pessoa mais velha do mundo completou 117 anos no dia 4 de março e vive em uma casa de repouso na Catalunha, na Espanha. Contudo, a família de Deolira acredita que ela bate o recorde da espanhola sendo a mais idosa do planeta.

A  família da idosa é grande, “a vó é a única irmã viva, os outros três irmãos já morreram. Ela tinha sete filhos, mas apenas três estão vivos. São 20 netos, 40 bisnetos e 37 tataranetos,” contabiliza a cuidadora.

De acordo com o médico geriatria, Dr. Juair de Abreu Pereira, que acompanha a idosa há dois anos, as condições de saúde de Deolira são muito boas. “Dona Deolira está interativa e lúcida. Está muito bem na avaliação geriátrica ampla, porém, por conta da idade avançada, não caminha e apresenta um pouco de perda auditiva”.

O médico ainda explica que a idosa não faz uso de medicamentos para qualquer comorbidade, como hipertensão ou diabetes. “Na minha avaliação ela está muito bem de saúde e sendo muito bem cuidada pela família”, disse.

Estudo da USP

O caso de dona Deolira chamou a atenção de um grupo de pesquisadores do Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-tronco da USP. Em um laboratório da universidade, o sangue da idosa, colhido em Itaperuna, será analisado.

Dessa forma, os pesquisadores estudam as células e a longevidade será alvo de uma pesquisa coordenada pela doutora Mayana Zatz. O grupo conta com a doutoranda Monize Silva e o doutor e pós-doutorando Mateus Vidigal.

Ele afirma que, segundo o último Censo, o Brasil conta com aproximadamente 37 mil centenários, o que representa 0,02% da nossa população, ou seja, “uma população extremamente rara”.

Foto: G1

O jornalismo independente e imparcial com informações contextualizadas tem um lugar importante na construção de uma sociedade , saudável, próspera e sustentável. Ajude-nos na missão de difundir informações baseadas em evidências.Apoie e compartilhe