Portal Saúde no Ar

Homeopatia, o remédio personalizado

Criada no século XVIII pelo médico alemão Samuel Hahnemann (1755-1843) em 1796, a honeopatia ainda gera polêmica entre especialistas e pacientes. Reconhecida desde 1980 pelo Conselho Federal de Medicina (Resolução CFM 1000/80), a especialidade médica já é aplicada na rede pública de saúde desde 2006, mas aparece, geralmente, como matéria optativa em poucas universidades brasileiras, como a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

O tipo e a gravidade da doença limitam o uso da homeopatia, sendo mais indicada para um tratamento complementar e coadjuvante, já que os efeitos colaterais são muito baixos, quando o medicamento é bem prescrito. “O grande papel da homeopatia é junto a doenças crônicas, como alergias e enxaqueca. Na homeopatia, a gente (médicos) consegue modular os aspectos emocionais, que não são tarjados como doenças, mas que interferem na manifestação das doenças, como nas alergias”, diz o médico e pesquisador homeopata, pós-doutorando da FMUSP Marcus Zulian Teixeira.

Ela é fundamentada no princípio dos semelhantes. Isto é, o tratamento tanto para sintomas físicos quanto para psicológicos, é feito por meio de substâncias que causam sintomas “semelhantes” aos da doença que será tratada e estimulam o organismo a reagir contra a enfermidade.

Estas substâncias provocam uma série de sintomas físicos e mentais no paciente, por isso, segundo Teixeira, o médico precisa ter o conhecimento dos sinais e sintomas objetivos e subjetivos do paciente, a fim de encontrar um medicamento individualizado e que leve em consideração a totalidade de sintomas.

Porém, um estudo inédito de 2014 publicado na revista “Systematic Reviews” analisou o resultado das cinco últimas revisões de ensaios clínicos sobre a eficácia da homeopatia, ao todo foram 32 estudos sobre 24 doenças. Quatro revisões chegaram à conclusão de que a homeopatia tem um pequeno e específico efeito que difere do placebo (comprimidos sem efeito medicinal dados a pacientes para analisar a eficiência do remédio). E a mais recente revisão concluiu que as evidências não indicam compatibilidade forte entre os medicamentos homeopatas e placebos.

As pesquisas foram feitas tanto com homeopatia individualizada, quanto com a geral. EntretantHomeopatiao, pesquisadores destacam que os benefícios da homeopatia se dão na medicina personalizada, no remédio feito seguindo as características de cada pessoa, e não em um igual para todo mundo (que pode ser comprado na farmácia sem receita). E essa é a tendência também para a medicina alopática: buscar tratamentos personalizados, como dietas e remédios feitos para cada paciente, inclusive com remédios genéticos, criados para agir no DNA. Assim, na homeopatia ou na alopatia, o medicamento feito sob medida deve ter melhores resultados. Com informações da UOL.

A.V.

O jornalismo independente e imparcial com informações contextualizadas tem um lugar importante na construção de uma sociedade , saudável, próspera e sustentável. Ajude-nos na missão de difundir informações baseadas em evidências.Apoie e compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.