Novas coletas mostram presença do novo coronavírus em esgoto

Novas coletas mostram presença do novo coronavírus em esgoto

Pesquisadores da Fiocruz, em parceria com a Prefeitura de Niterói (RJ), acompanham a disseminação do novo coronavírus na cidade por meio de um projeto de vigilância ambiental do patógeno, que consiste na coleta e análise de amostras da rede coletora de esgotos do município. As coletas foram iniciadas em 15 de abril e são realizadas semanalmente. Atualmente, a média de amostras positivas para o novo coronavírus é de 85%. Este índice se refere às 11 semanas de coletas com resultados disponíveis (entre 15 de abril e 23 de junho). A pesquisa que tem duração prevista de 12 meses teve os resultados preliminares da pesquisa foram divulgados durante evento promovido pela The International Water Association e podem ser conferidos no painel de georreferenciamento desenvolvido pelo Sistema de Gestão da Geoinformação da Prefeitura de Niterói. Os resultados detalhados serão publicados em artigo científico.

Desde as análises da primeira rodada de coletas em abril, cujos resultados foram positivos em 5 das 12 amostras, já podíamos imaginar que este projeto evidenciaria a eficácia da metodologia no monitoramento da disseminação do vírus. Ao longo dos meses foi demonstrado um aumento de detecção do genoma do novo coronavírus, atingindo 94% de detecção nas amostras coletadas nas quatro primeiras semanas de junho, por exemplo”, explica a pesquisadora Marize Pereira Miagostovich, chefe do Laboratório de Virologia Comparada e Ambiental do IOC/Fiocruz e responsável pela pesquisa.

Já foram coletadas amostras de esgoto bruto em 29 pontos georreferenciados e estrategicamente distribuídos pela cidade de Niterói, incluindo quatro estações de tratamento de esgotos (ETEs).

 

Fonte: Fiocruz

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *