Laboratório móvel mapeia Zika

 Laboratório móvel mapeia Zika

Foto: Divulgação

SITE-noticia4Chega a Salvador, nesta quarta-feira (15), o Zika in Brasil Real Time Analysis (ZIBRA), laboratório móvel de análise genômica sobre epidemiologia molecular do vírus zika. O projeto é um esultado da parceria entre Fiocruz Bahia, Instituto Evandro Chagas, Ministério da Saúde e universidades do Reino Unido, Canadá e Austrália, o objetivo do Zibra é ampliar o mapeamento genômico do vírus, para determinar a origem, sua diversidade genética, e aspectos epidemiológicos, ajudando no combate à epidemia, durante uma emergência de saúde pública.

Notícias relacionadas: 

Estudos de zika têm prazo reduzido

Vacina contra Zika em teste

Os pesquisadores partiram de Natal (RN), no dia 03 de junho, passaram por João Pessoa (PB) e seguiram para Recife (PE). O projeto tem parada ainda em Aracaju (SE) e Feira de Santana (BA), antes de chegar à capita baiana, que terá a Fiocruz Bahia como ponto final das análises. Os pesquisadores dispõem de um laboratório adaptado em um ônibus, que transporta a equipe os materiais. O que torna a experiência possível é o uso do Oxford Nanopore MinION device, um sequenciador de DNA de última geração, com peso de apenas 100g, podendo ser carregado por USB de um computador portátil. O equipamento é capaz de sequenciar 12 amostras simultaneamente em seis horas.

Inspirado na experiência da análise genômica do Ebola na África, durante o surto de 2014-2015, o ZIBRA pretende sequenciar 750 cepas do Zika, levando em consideração os fatores geográficos e regionais da área do país mais afetada pela doença. Também serão incluídas amostras históricas e de pacientes com diferentes apresentações clínicas. A meta é identificar como e quando o Zika foi introduzido no país, além de apontar "o padrão e determinantes da disseminação por todo o país e localidades vizinhas, a extensão da diversidade genética (de importância para a vacina e design de diagnóstico), e se existem associações entre as mudanças no genoma do vírus e a probabilidade de complicações ZIKV como microcefalia".

O pesquisador da Fiocruz Bahia, Luiz Alcântara, explicou que o vírus encontrado no Brasil guarda diferenças entre o encontrado na Ásia, contando ainda com a questão do hospedeiro e das diferenças biológicas. "O projeto é importante não só para a geração de novas sequências do vírus ZIKA, mas também para identificarmos a necessidade de melhor orientação no diagnóstico molecular. Nos Laboratórios Centrais (Lacens), que passamos até o momento, o número de amostras positivas não passavam de 1% no universo já analisado. Nós estamos tendo em torno de 10%, confirmados pelo sequenciamento imediato", avaliou Alcântara.

Fonte: Fiocruz

Redação Saúde no Ar*

João Neto

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.