1º de dezembro: Dia mundial de luta contra a AIDS

1º de dezembro: Dia mundial de luta contra a AIDS

No dia anterior ao dia da luta contra a AIDS; organizações de saúde divulgaram novos dados a respeito da doença. Dessa forma, entidades de saúde alertam que mesmo com a pandemia o atendimento de pacientes soro positivo e testagem continuam normalmente nos postos de saúde.

De acordo com a Organização Pan-americana de Saúde (Opas); os novos casos de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) América Latina, causador da aids, aumentaram 21% na última década; passando de 100.000 em 2010 a 120.000 em 2019.

Além disso, nesse período, o número de mortes anuais relacionadas ao HIV caiu ligeiramente; de 41.000 em 2010 para 37.000 em 2019.

“Estes dados destacam que, sem dúvida, a infecção pelo HIV ainda representa um grave problema de saúde pública na América Latina”, afirmou a diretora da Opas, Carissa Etienne, ao destacar que “se prevê que a covid-19 exacerbe esta situação”, dado o impacto da pandemia nos serviços de saúde.

Contudo; por conta da pandemia de covid-19, o número de testes de HIV caiu drasticamente. No primeiro semestre de 2020, em oito países da América Latina e do Caribe; bem como Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Jamaica, Peru, República Dominicana e Santa Lúcia; houve cerca de 4.000 diagnósticos de infecção pelo HIV a menos do que no mesmo período de 2019; de acordo com dados oficiais.

Sem diagnostico

Dessa forma, sem o diagnóstico, as pessoas infectadas pelo HIV não têm acesso a antirretrovirais que podem podendo infectar outras pessoas. Cerca de 2,1 milhões de pessoas na América Latina e 330.000 no Caribe viviam com HIV em 2019; de acordo com dados do UNAIDS, a agência da ONU de luta contra o HIV.

Na Bahia, os números de casos de HIV; chegaram a 1.146. Contudo; o número de casos de Aids na Bahia, este ano chegou a: 321.

 

Quais os sintomas da doença?

Entre os sintomas mais comuns estão;  febre, diarreia, sudorese noturna e emagrecimento. Por trata-se de uma doença classificada como síndrome da imunodeficiência adquirida; o que ocasiona uma queda da imunidade da pessoa acometida pela doença e que tendem a adoecer por doenças oportunistas; bem como hepatites virais, tuberculose, pneumonia, toxoplasmose e alguns tipos de câncer, no momento mais avançado da doença. Além disso, as complicações da doença muitas vezes são devido ao fato das pessoas, não realizarem o tratamento correto; abandonarem o tratamento orientado pelas equipes de saúde, além de não utilizarem os meios de prevenção para IST.

Números na Bahia

De acordo com a secretária de saúde do estado; o número de morte por Aids no estado da Bahia em 2020; calculados até o mês de setembro chegou a 363 óbitos. Dessa forma, foi registrada uma redução no número de mortes, comparado ao mesmo período de 2019; onde aconteceram 429 óbitos pela doença.

 

Cuidados e Prevenção

De acordo com as entidades de saúde; a prevenção da doença pode ser feita por relação sexual protegida; com o uso de preservativo e gel lubrificante; bem como o não compartilhamento de seringas e material perfuro-cortante. Além disso, o uso da prevenção pós exposição (PEP) quando necessário, adesão a prevenção pré- exposição (PReP) quando indicada; a não amamentação das crianças nascidas de mães soro positivas, realização do pré-natal de toda gestante, realização de teste rápido para o diagnóstico precoce; bem como a adesão ao tratamento quando soro positivo.

 

Onde procurar ajuda?

Em Salvador é possível buscar atendimento no Instituto Couto Maia e Hospital Professor Edgard Santos.

No interior do estado os Hospitais Regionais e Gerais têm leitos pactuados para pacientes com Aids; por exemplo o do Hospital Regional Clériston Andrade, em Feira de Santana, Hospital Luís Eduardo Magalhães em Porto Seguro; bem como o Hospital Costa do Cacau, em Ilhéus.

O CEDAP

Unidade da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) responsável pelo atendimento, em média, de sete mil pessoas por mês, e com 57 mil pacientes cadastrados em toda a Bahia, é referência estadual para atendimento ambulatorial a pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHIV), Hepatites virais, Infecções Sexualmente Transmissíveis e População Transgênero.

Contudo; durante a pandemia a unidade colocou em funcionamento a Central de Matriciamento para HIV/Aids, Infecções Sexualmente Transmissíveis e Ambulatório Transgênero; atendendo de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, através dos telefones 3116.8888 e 3116.8838. O serviço é destinado ao esclarecimento de dúvidas dos usuários, encaminhamento dos casos, conforme as necessidades, e adequações ao momento atual.

Em julho deste ano foi inaugurada a primeira unidade de referência no tratamento de doenças do fígado no Estado. A Unidade de Fígado do Cedap fica na Rua do Travador, sem número, no Parque Solar Boa Vista, Engenho Velho de Brotas.

Por: Joice M Araujo

Campanha Vidas Importam 

Veja também: Covid-19: OMS aguarda mais dados sobre as vacinas para tomar decisão sobre imunização

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *