Fiocruz isola vírus da chikungunya em amostras humanas

Fiocruz isola vírus da chikungunya em amostras humanas

O Instituto Carlos Chagas (ICC/Fiocruz Paraná), conseguiu isolar o arbovírus causador da febre chikungunya em amostras humanas, o que vai impulsionar de forma significativa o desenvolvimento de kits de diagnóstico para a doença e permitir que a detecção do vírus seja realizada sem a utilização de animais. O trabalho foi desenvolvido pelo Laboratório de Virologia Molecular do ICC, o que isolou o vírus em sete amostras de pacientes, obtidas por meio de um convênio com a Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana, na Bahia.

Segundo dados mais recentes do Ministério da Saúde, foram registrados 771 casos autóctones suspeitos no país, sendo 82 confirmados, 687 em investigação e dois descartados no período de 4 de janeiro a 7 de fevereiro de 2015. Os estados do Amapá, Mato Grosso do Sul, de Goiás, da Bahia, e Distrito Federal são os afetados. “O diagnóstico e a notificação de casos de chikungunya é fundamental para que possamos ter uma vigilância epidemiológica eficaz”, ressalta a virologista Claudia Nunes Duarte dos Santos, chefe do Laboratório de Virologia Molecular do ICC. 

“Com o isolamento do vírus em células humanas, além de não utilizarmos mais animais para a detecção, essas partículas contribuirão para os avanços nos kits diagnósticos, incluindo o teste rápido que está sendo desenvolvido pelo ICC em parceria com Bio-Manguinhos”, complementa a pesquisadora.

Após a chegada das amostras, o isolamento foi confirmado em um curto espaço de tempo. “Este tipo de trabalho é uma rotina para nós do Laboratório de Virologia Molecular. Recebemos as amostras de pacientes em fase aguda da doença e, em apenas 10 dias, já tínhamos o vírus isolado, utilizando anticorpos monoclonais produzidos por nossa equipe”, explica Claudia Nunes Duarte dos Santos.

Segundo a virologista, a interação realizada durante o Seminário Gonçalo Moniz – Chikungunya, promovido pela Fiocruz Bahia no último mês de dezembro, foi fundamental para alcançar o resultado. “Realizamos um trabalho multidisciplinar, iniciado durante esse evento. O diretor do Centro de Pesquisa Gonçalo Muniz (Fiocruz Bahia), Manoel Barral Netto e o pesquisador responsável pelo Escritório Regional da Fiocruz Mato Grosso do Sul, Rivaldo Venâncio da Cunha, tiveram uma atuação determinante para que pudéssemos interagir com os Laboratórios Centrais da Bahia e tivéssemos acesso ao painel de amostras de pacientes na fase aguda da doença”, pontua a virologista.

As etapas do isolamento incluíram testes com imunoflorescência indireta, que permite a visualização de antígenos nos tecidos ou em suspensões celulares utilizando corantes fluorescentes, e com a técnica de Transcriptase Reversa e Reação em Cadeia da Polimerase (RT-PCR, na sigla em inglês), método de amplificação do RNA viral. Os próximos passos incluem a amplificação desses vírus e uma produção escalonada, pelo ICC, de um lote dessas partículas, que serão utilizadas como reativos para diagnóstico.

Fonte: Fiocruz Paraná

 

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.