Exame preventivo pode evitar mortes de bebês ao nascer

Exame preventivo pode evitar mortes de bebês ao nascer

Foi realizado de 11 a  13 de abril em São Paulo o o 9º Congresso do Departamento de Imagem Cardiovascular (DIC) da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Foi discutido  o tema, diagnóstico e intervenção precoces de cardiopatias em bebês

No Brasil, nascem 24 mil bebês por ano com cardiopatia congênita. E metade dessas doenças necessitam de tratamento nos primeiros dias de vida. Desses nascimentos, só 10% dos bebês tinham algum fator de risco, como mãe com diabetes ou uso de alguma medicação na gravidez que possa causar essa má formação.

A melhor maneira de rastrear essas doenças é através do ecocardiograma fetal, exame não invasivo que deve ser feito entre a 24ª e 28ª semana de gestação. “Esse rastreio é importante porque uma vez diagnosticada a cardiopatia, muitas vezes é possível fazer a intervenção ainda no útero”, afirma Dra. Gabriela Nunes Leal, ecocardiografista do Instituto da Criança do Hospital da USP e do Hospital Sírio-Libanês.

“Esses óbitos são motivados por cardiopatias congênitas críticas que precisam de intervenção cirúrgica precoce. Se não tem o diagnóstico antes do nascimento, alguns desses bebês vão embora para casa sem os pais saberem da existência da doença e acabam piorando o quadro clínico longe do hospital. Quando retornam, às vezes, não é o momento de intervenção. Perde-se a oportunidade de operar o bebê em tempo hábil”, explica a médica.

Um percentual razoável dos óbitos por cardiopatia congênita acontece no período neonatal, ou seja, logo após o nascimento, explica a médica Gabriela Nunes Leal.

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *