Aplicação de gel dificulta a evolução do câncer de mama, dizem cientistas

Aplicação de gel dificulta a evolução do câncer de mama, dizem cientistas

As mamas são extremamente sensíveis à ação da progesterona e do estrógeno, que se ligam ao tecido dos seios por meio de moléculas conhecidas como receptores. É essa associação que vai controlar a multiplicação celular, atendendo às exigências da vida sexual e reprodutiva do organismo. Quando as células cancerígenas passam a promover alterações nessa região, uma de suas estratégias é manter esses receptores, pois será a partir deles que elas conseguirão se “alimentar” e, assim, crescer e se desenvolver. Essa explicação corresponde a 70% dos casos de câncer de mama, tendo a droga tamoxifeno como principal terapia contra eles.

De acordo com uma pesquisa publicada hoje na Clinical Cancer Research, uma revista especializada da Associação Americana para Pesquisa do Câncer, o mesmo medicamento usado de forma oral, foi criado  em forma de gel. Isto poupa as pacientes de uma série de efeitos colaterais normalmente percebidos na versão oral. Além disso, ele também se mostrou mais eficaz devido à aplicação local — mais restrita e intensa.

 

A variação do tamoxifeno em gel criada por uma equipe que reuniu diversos departamentos da Escola de Medicina da Universidade Northwestern Feinberg recebeu o nome de 4-OHT. O estudo comparativo com a terapia oral foi feito com 27 mulheres com carcinoma mamário in situ, idade entre 45 e 86 anos e no período pré ou pós-menopausa. Metade delas tomou o medicamento oralmente e a outra aplicou o produto nos seios de seis a 10 semanas antes de uma cirurgia de mastectomia. No processo, a concentração de tamoxifeno no tecido adiposo mamário e em seus principais metabólitos foi determinada por espectrometria de massa de cromatografia. 

Fonte: Clinical Cancer Research

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *