Pesquisa avalia Zika Vírus

Pesquisa avalia Zika Vírus

Com o objetivo de mapear por quanto tempo o Zika Vírus pode ficar ativo em fluidos de seres humanos, o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), unidade vinculada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), a Fundação Oswaldo Cruz Pernambuco (Fiocruz-PE) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) iniciaram pesquisa em julho deste ano para avaliar a persistência do vírus.

Detectado em sangue, urina, sêmen, fluidos cerebrais e espinhais, saliva e líquido amniótico, a pesquisa ZikaBRA estuda a possibilidade de transmissibilidade da doença entre humanos e se o vírus pode permanecer inativo e reaparecer numa fase posterior. Os pacientes diagnosticados com a arbovirose pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Caxangá e por Postos de Saúde do Distrito 4 do Recife (nos bairros Várzea e Engenho do Meio) terão uma agenda de coleta de seus fluidos no HC para o acompanhamento da pesquisa.

“A transmissibilidade sexual, por exemplo, já está comprovada. Mas por quanto tempo o vírus atua? É importante avaliar o impacto dessa doença ao longo do tempo”, explica o professor da UFPE e médico do HC, Carlos Brito, coordenador da parte clínica do projeto no Recife.

Uma gama de fluidos corporais será recolhida dos participantes da pesquisa durante 24 meses. As amostras serão testadas quanto à presença de vírus Zika e quanto às respostas imunológicas dos participantes em diferentes momentos. Previsto para meados de 2019, o resultado do estudo ajudará a OMS a propor recomendações sobre a melhor forma de prevenir a infecção pelo vírus. Além do Recife, a pesquisa será feita em Manaus e no Rio de Janeiro.

 

Fonte: Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh)

Redação Saúde no Ar

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.