Mães de crianças com microcefalia sofrem de depressão

Mães de crianças com microcefalia sofrem de depressão

Segundo a psiquiatra, a psiquiatra, epidemiologista e professora do instituto de saúde coletiva da Universidade Federal da Bahia, Darci Neves, um estudo  realizado com famílias de 165 crianças que foram impactadas, de alguma forma, com o surto do zika vírus, entre 2015 e 2016, em Salvador, confirma de  uma a cada três pessoas que cuidam dessas crianças apresentam diagnóstico de depressão. E a maior parte, 90%, é de mães. “É preciso cuidar de quem cuida”. É o que defende, com unhas e dentes, a  Darci Neves.

Para a especialista, a síndrome congênita do Zika vírus gera o fator surpresa na família e ocasiona o estresse que pode levar à depressão. Além disso, ela considera necessária a elaboração de políticas públicas que deem suporte a quem cuida dos pequenos, principalmente as mães.

A pesquisa analisou três fatores: cognição, motricidade e linguagem. No fim das contas, o estudo aponta uma idade mental de 1 ano de idade, em crianças de 3 anos. “Há muitas outras alterações neurológicas que não necessariamente acontecem na cabeça. Essas alterações que atingiram o cérebro da criança tem um poder de dano muito grande. Observamos que as funções cognitivas estão abaixo do que disseram. A gente encontrou esses percentuais elevados para funções cognitivas, para a função motora e de linguagem”, disse Darci.

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *