Cientistas encontram nos olhos de bebês uma chance para detectar precocemente o autismo

Embora não exista cura para o distúrbio, o diagnóstico precoce do autismo  permite aliviar sintomas da condição com terapias.

Pesquisadoras americanas  da Faculdade de Medicina da Universidade de Emory de Atlanta (EUA), Cheryl Klaiman e Jennifer Stapel-Wax,  participantes do I Congresso Internacional sobre os Transtornos do Espectro do Autismo(TEA), realizado pela Associação Caminho Azul, apresentaram  mm novo método promete ajudar a diagnosticar o autismo em bebês.

O método envolve o rastreamento ocular, uma tecnologia que promete revolucionar o diagnóstico, caso sua eficiência seja comprovada por mais estudos.

Existem muitas dúvidas e discordância sobre o assunto, mas os pesquisadores são unânimes em concordar que  a rapidez no diagnóstico é fundamental para um tratamento bem-sucedido.

As pesquisadoras  afirmam que  rastreamento ocular pode ser capaz de identificar a doença  em bebês de até seis meses de idade, ou menos.

O cérebro está se desenvolvendo tão rapidamente nos primeiros 18 meses de vida que devemos aproveitar esse potencial. A detecção e a intervenção precoces fazem toda a diferença em como o autismo se desdobra. — explica Stapel-Wax.

Existem muitas dúvidas e discordância sobre o assunto, mas os pesquisadores são unânimes em concordar que  a rapidez no diagnóstico é fundamental para um tratamento bem-sucedido.

A ONU estima que cerca de 1% da população mundial tenha autismo. No Brasil, a OMS calcula que há 2 milhões de pessoas com algum grau de TEA. No entanto, metade desse contingente nem sequer foi diagnosticada.

Desde 1993, quando os TEA foram adicionados à Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS), cientistas e médicos têm mais dúvidas do que certezas sobre o assunto.

O jornalismo independente e imparcial com informações contextualizadas tem um lugar importante na construção de uma sociedade , saudável, próspera e sustentável. Ajude-nos na missão de difundir informações baseadas em evidências.Apoie e compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.