Celular pode colaborar para evitar proliferação da dengue

Celular pode colaborar para evitar proliferação da dengue

celularRegistros de celulares podem ser utilizados para prevenir a proliferação  dos surtos de dengue, assim como o momento em que há mais ocorrências da doença, aponta um novo estudo conduzido por pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard. O estudo foi publicado na edição revista “PNAS”, nesta segunda-feira (7).

Devido a vulnerabilidade das pessoas perante o mosquito Aedes aegypti, cientistas, desenvolveram um modelo que prevê epidemias de dengue e fornece alertas precoces essenciais para as autoridades de saúde de cada país. Para a concretizar a ideia, foram coletados um nível recorde de registros de telefonia móvel, o que permitiu detalhes sobre a mobilidade humana.

Um número de ocorrências com informações climáticas e o registro de chamadas em 40 milhões de celulares, foram analisados, após dados de um surto de dengue no Paquistão em 2013.

De acordo com os resultados os padrões de mobilidade no país – revelados pelos registros de chamadas –  poderiam ser usados para prever com precisão a distribuição geográfica e o momento em que ocorreram os surtos nos locais de epidemias e nos pontos onde há maior risco.

Segundo a professora assistente de Epidemiologia de Harvard e coautora do estudo, Caroline Buckee, o modelo de previsão desenvolvido identifica precisamente a vulnerabilidade aos surtos de dengue e como cada local deve se preparar para conter epidemias. A professora explica que como os dados de telefonia móvel são continuamente coletados, eles podem contribuir com um plano nacional de controle da doença em tempo real.

Provocada pelo mosquito Aedes aegypti, que se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais, a dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus. Embora pareça pouco agressiva, a doença pode evoluir para a dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue –  caracterizadas por sangramento e queda de pressão arterial – o que eleva o risco de morte.

L.O.

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *