Anadem fecha aliança científica estratégica para a promoção do uso de células-tronco e criopreservação

Anadem fecha aliança científica estratégica para a promoção do uso de células-tronco e criopreservação

A fim de se tornar um pilar entre clínicos, pesquisadores; bem como agentes regulatórios, conselhos de classe e população, a Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (Anadem); juntamente à R-Crio Células-Tronco, inicia uma aliança científica estratégica que busca oferecer com o maior profissionalismo, a eficiência e a validação de métodos de obtenção de células-tronco com o objetivo final da criopreservação.

Dessa forma; as entidades lançaram o manual “As células-tronco e a terapia celular como pilares fundamentais da medicina regenerativa”; que será distribuído para profissionais da área da saúde e a todos que lidam com o assunto; como pesquisadores, equipe laboratorial, professores, faculdades e universidades, consultores científicos; bem como jornalistas e agentes regulatórios.

A busca pelo binômio longevidade e qualidade de vida acompanha a história da humanidade e, com o aumento na expectativa de vida alcançado nas últimas décadas (graças às descobertas de medicamentos e à introdução de medidas de saneamento e de hábitos de higiene), houve, como consequência, o aumento da atenção para as doenças degenerativas. 

Para estas patologias, o desenvolvimento de tratamentos regenerativos; muitos possibilitados pela criopreservação (congelamento) de células-tronco, passou a ser considerado uma das soluções para a entrega efetiva e concisa de saúde no século XXI, período em que estão sendo criadas práticas inovadoras de medicina e odontologia regenerativa no Brasil.

De acordo com o presidente da Anadem, Raul Canal; “com o avanço da medicina regenerativa e as terapias celulares; a tendência é que os humanos se tornem, num futuro breve, seres amortais (diferente de imortais), ou seja, morreremos por traumas, causas externas e acidentes, não mais por doenças, complicações orgânicas ou funcionais”.

Além disso, para garantir a validação de métodos de obtenção de células-tronco, objetivando a criopreservação final; são trabalhadas três principais fontes de coleta: polpa dentária (de dentes de leite e dentes do siso que possuem células-tronco adultas especiais); tecido adiposo (o lipoaspirado, majoritariamente descartado após cirurgias; possui uma grande quantidade de células-tronco); e periósteo do palato (feito por meio do periósteo do palato duro, divisão óssea e muscular entre as cavidades oral e nasal).

Campanha Vidas Importam 

Veja também: Projeto obriga plano de saúde a cobrir tratamento especial para paciente com autismo

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *