4º Edição do Girando a Fala

4º Edição do Girando a Fala

A Comunicadora Patricia Tosta, traz para o público feminino a 4ª Edição do “Girando a Fala”, um espaço de voz e escuta onde as mulheres podem falar sobre suas questões e encontrar suporte para vencerem os desafios no contato com outras mulheres.
Durante os encontros as participantes falam sobre desejos, medos, crenças e tudo que as impedem de conquistarem seus sonhos. São encorajadas a ocuparem os diversos espaços, sobretudo o lugar de protagonistas da própria história, já que de acordo com a idealizadora: “toda mulher pode ser, toda mulher pode ser o que ela quiser ser, toda mulher pode vencer”.
A proposta é contribuir para o desenvolvimento integral feminino através da realização mensal de conversas sobre diferentes temas contando com a participação de mulheres que são referência em suas áreas de atuação.
Em novembro o Girando a fala, une-se as ações do dia da Consciência Negra. O 20 de novembro de 1695 ficou marcado pelo assassinato de Zumbi dos Palmares, líder do maior quilombo da história brasileira, formado por cerca de 20 mil negros e negras que resistiram e lutaram por mais de 100 anos contra a escravidão. Em 2003 a data passou a ser comemorada no calendário escolar e em 2011, com a lei 12.519, foi instituído oficialmente o Dia da Consciência Negra.

3º Edição do Girando a Fala

Nesta 4ª Edição, que acontece na quarta-feira, 20.11, das 14:30 às 17:30, na Livraria Paulinas, o “Girado a fala” vai destacar as mulheres que contribuíram para a libertação dos escravos, entre elas a própria esposa do Zumbi, Danara, assim como tantas outras que até hoje lutam por igualdade, respeito e vida plena em um país onde o negro representa 68% dos analfabetos. Somente uma a cada quatro pessoas com ensino superior, é negra, já a população carcerária, tem 75% de negros. A cada doze minutos uma pessoa negra é assassinada no Brasil.Quais as razões para esses números? O que de fato eles dizem para nós? O que é ser uma mulher negra? Quais a consequência do racismo para a vida dessas mulheres e como quebrar esse ciclo?,são algumas das questões que farão parte da conversa.
O tema: “A força da mulher negra: Recordar, reverenciar, resistir e ressignificar, será apresentado por mulheres envolvidas com esta temática em diversos setores como:saúde,educação, empreendedorismo etc.Terá ainda um momento cultural, sorteio de brindes e espaço para mostra de produtos e serviços. O convite é para mulheres de todos as idades interessados por este assunto.
A inscrição acontece no dia e local do evento mediante a contribuição de R$ 5,00 (cinco reais).
Sobre o Girando a fala:
Encontros mensais com mulheres que desejam se reconectar com sua força e poder interno, estão em busca do propósito de vida ou que já encontraram seu caminho saindo da condição de lutadoras para vencedoras. A primeira edição aconteceu em 20 de agosto com a palestra “Dizer ou não dizer: eis a questão”, ministrada pela própria idealizadora, a radialista Patricia Tosta, a segunda no dia 19 de setembro acolheu a primavera com o tema: “Eu vejo flores em você” e palestra com a Aroma terapeuta Ana Claudia Figueiredo e a terceira em 16.10, sobre o tema: “Vença o medo e o preconceito: câncer de mama tem cura! contou com a presença do Serviço de Mastologia, Coral e Grupo GAMA do Hospital Aristides Maltez

 

O dia 20 de novembro de 1695 ficou marcado pelo assassinato de Zumbi dos Palmares, líder do maior quilombo da história brasileira. formado por  cerca de 20 mil negros e negras que resistiram e lutaram por mais de 100 anos contra a escravidão. Em 2003 a data passou a ser comemorada no calendário escolar e em 2011, com a lei 12.519, foi instituído oficialmente o dia da Consciência Negra.
Marcando esta data tão significativa, a comunicadora Patricia Tosta, ancora do Programa Saúde no ar, realiza mais uma roda de conversa: “Girado a fala”, espaço de voz e escuta onde as mulheres podem falar sobre suas questões e encontrar suporte para vencerem os desafios. A proposta é contribuir para o desenvolvimento integral feminino através da realização mensal de conversas sobre diferentes temas contando com a participação de mulheres que são referência em suas áreas de atuação.
A quarta edição que acontece hoje, quer destacar as mulheres negras que tiveram grande importância na resistência contra o preconceito e discriminação, entre elas a própria esposa do Zumbi, Dandara, e tantas outras que até hoje lutam por igualdade, respeito e vida plena em um país onde o negro representa 68% dos analfabetos. Somente uma a cada quatro pessoas com ensino superior, é negra, já a população carcerária, tem 75% de negros e onde a cada doze minutos uma pessoa negra é assassinada ,segundo o IBGE.
O tema: “A força da mulher negra”, será apresentado por mulheres envolvidas com esta temática em diversos setores. Quais as razões para esses números? O que de fato eles dizem? O que é ser uma mulher negra? Quais a consequência do racismo para a vida dessas mulheres e como quebrar esse ciclo? são alguns dos assuntos em pauta.Confira:
 PAINEL TEMÁTICO:GIRANDO A FALA 4ª. Edição – A força da mulher negra: Recordar-Reverenciar- Resistir –Ressignificar
Recordar-SIGNIFICADO DO 20 DE NOVEMBRO – Taneska Santana Cal, Educadora, Pesquisadora de Ensino, História e Filosofia das Ciências – Criadora do Café Científico com as Pretas, Membro do GT Igualdade Racial do Grupo Mulheres do Brasil.
Reverenciar: CONSCIÊNCIA NEGRA – UM RECORTE FEMININO DAS NOSSAS HEROÍNAS NEGRAS: Naira Gomes – Comissão Executiva da Marcha do Empoderamento Crespo.
Resistir – Ser mulher negra na sociedade atual: A luta de ontem e de hoje – Lígia Margarida Presidente da Sociedade Protetora dos Desvalidos e Membro da Rede de Mulher.
Ressignificar: COMO PODE MELHORAR? A MULHER NEGRA CONSTRUINDO SUA PRÓPRIA HISTÓRIA Lorena Torres – Coach – Idealizadora do Método Safira para Afro-empreendedores.
O evento que acontece hoje, 20.11, das 14:30 às 17:30, na Livraria Paulinas conta com momento cultural, dinâmicas tendo como destaque o Grupo as Sussurradeiras, com a presença de Josy Barros, Brincante e  Professora de dança, informação e cuidado com a saúde com a presença de Marivone Monteiro , Enfermeira e Responsável Técnica de Programa de atenção a pessoa  com Doença Falciforme da Secretaria Municipal de Saúde – SMS, sorteio de brindes e espaço para mostra de produtos e serviços.
O convite é para mulheres de todos as idades interessados por este assunto.  A inscrição acontece no dia e local do evento mediante a contribuição de R$ 5,00 (cinco reais).
Sobre o Girando a fala:
Encontros mensais com mulheres que desejam se reconectar com sua força e poder interno, estão em busca do propósito de vida ou que já encontraram seu caminho saindo da condição de lutadoras para vencedoras. A primeira edição aconteceu em 20 de agosto com a palestra “Dizer ou não dizer: eis a questão”, ministrada pela própria idealizadora, a radialista Patricia Tosta e Presença da empreendedora Rose Carvalho, a segunda no dia 19 de setembro acolheu a primavera com o tema: “Eu vejo flores em você” e palestra com a Aroma terapeuta Ana Claudia Figueiredo, a terceira em 16.10, sobre o tema: “Vença o medo e o preconceito: câncer de mama tem cura! contou com a presença do Serviço de Mastologia,  Coral e Grupo GAMA do Hospital Aristides Maltez
Durante os encontros as participantes falam sobre desejos, medos, crenças e tudo que as impedem de conquistarem seus sonhos. São encorajadas a ocuparem os diversos espaços, sobretudo o lugar de protagonistas da própria história, já que de acordo com a idealizadora: “toda mulher pode ser, toda mulher pode ser o que ela quiser ser, toda mulher pode vencer”.

SERVIÇO:
O que? – “Girando a fala” – 4ª Edição
Quando? 20 de novembro, 19 h
Horário: 14:30 às 17:30 h
Onde: Paulinas Livraria – Avenida Sete de Setembro, 680 – Piedade – tel.: (71) 3329-2477
Quanto? R$ 5,00 – (cinco reais)
Informações: Tel.: (71) 9-82479246 ou Watts app. 71 9-8884-0803

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *