Proporção de adolescentes que engravidaram mais que dobra em Salvador

Proporção de adolescentes que engravidaram mais que dobra em Salvador

Comportamentos que podem gerar riscos à saúde entre os estudantes do 9° ano, a antiga 8ª série do ensino fundamental, aumentou em cerca de 90% deles com 13 a 15 anos de idade nos anos entre 2009 e 2019.

De acordo com dados divulgados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as relações sexuais sem camisinha ou outros métodos contraceptivos passaram a ser mais informadas, mas entre 2015 e 2019, a proporção de estudantes mulheres que, no 9° ano, já tinham tido relação sexual e engravidado mais que dobrou, na capital baiana, indo a 17,3%.

Dessa forma, Salvador chegou ao topo do ranking nesse indicador entre as capitais, empatada com Maceió. Em 2019, segundo o levantamento, em Salvador, quase 4 em cada 10 estudantes do 9º ano (38,2%, 3° maior percentual entre as capitais) já haviam tido ao menos uma relação sexual.

Contudo, dez anos antes, eram 35,8%. Apesar de, em 2019, a proporção dos estudantes que haviam tido relação sexual ter continuado bem maior para homens (44,8%) do que mulheres (31,6%), foi apenas entre elas que o indicador avançou frente a 2009, quando 24,4% das estudantes mulheres haviam feito sexo, frente a 50,7% dos homens.

Além disso, havia também uma diferença significativa para o indicador entre os estudantes da rede pública e privada. Nas escolas públicas de Salvador, em 2019, quase metade dos adolescentes cursando o 9o ano já haviam tido sua iniciação sexual (47,4%, segundo maior percentual entre as capitais) enquanto na escolas privadas a proporção era de 16,9%. Por outro lado, em comparação com 2009, a proporção de estudantes que já haviam tido relação sexual aumentou apenas na rede pública (era de 38,3%) , enquanto diminuiu um pouco nas escolas particulares – antes, era de 19,8%.

 

 

 

 

 

Campanha Vidas Importam