Pardos e pretos tem menor acesso a saneamento básico no Brasil

Pardos e pretos tem menor acesso a saneamento básico no Brasil

Pretos e pardos contam com acesso menor a saneamento básico e banheiro

Segundo o Censo Demográfico 2022:, o índice de pessoas autodeclaradas pretas, pardas e indígenas conectadas a serviços e condições ideais de saneamento básico, como acesso a rede de esgoto e banheiros, é inferior do que entre amarelas e brancas.

Conforme o IBGE, nacionalmente, amarelos e brancos têm mais acesso a condições ideais de saneamento básico e maior presença de instalações sanitárias nos domicílios.

No recorte da população residente em residências com rede de esgoto coletora, pluvial ou fossa séptica, há uma predominância de amarelos (91,8%) e brancos (83,5%). Logo em seguida vem pretos (75%), parda (68,9%) e indígena (29,9%).

O Brasil tinha, em 2022, 49 milhões de pessoas vivendo em lares sem descarte adequado de esgoto, apontam dados do Censo 2022 divulgados nesta sexta-feira (23).

Esse número equivale a 24% da população brasileira.

Pardos são 45,3% da população brasileira, e 58,1% dos sem esgoto adequado
Brancos são 43,5% da população brasileira, e 29,5% dos sem esgoto adequado
Pretos são 10,2% da população brasileira, e 10,4% dos sem esgoto adequado
Indígenas são 0,8% da população brasileira, e 1,7% dos sem esgoto adequado
Amarelos são 0,4% da população brasileira, e 0,1% dos sem esgoto adequado

O jornalismo independente e imparcial com informações contextualizadas tem um lugar importante na construção de uma sociedade , saudável, próspera e sustentável. Ajude-nos na missão de difundir informações baseadas em evidências. Apoie e compartilhe