OMS: vacinação infantil tem a maior queda contínua dos últimos 30 anos

OMS: vacinação infantil tem a maior queda contínua dos últimos 30 anos

Em 2021, O número de crianças com atraso na vacinação foram de 2 milhões a mais de criança do que eram em 2020 e 6 milhões a mais do que em 2019. O alerta é da Organização Mundial de Saúde

Em todo o mundo, após dois anos de pandemia, foi registrada a maior queda contínua nas vacinações infantis dos últimos 30 anos. O Brasil está entre os dez países no mundo com a maior quantidade de crianças com a vacinação atrasada. Dados divulgados hoje (15) mostram que 25 milhões de crianças estão com as vacinas atrasadas.

A preocupação é muito real porque as coberturas vacinais não têm aumentado e tem um sério risco de volta de doenças que tinham sido eliminadas ou que eram raridade”, diz a oficial de Saúde do Unicef no Brasil Stephanie Amaral. “Existe a falsa percepção que a vacina não é necessária, mas é o contrário. Muitas doenças não são vistas e a mortalidade infantil melhorou por causa da vacinação”.

O aumento do atraso é atribuído as fake news e a pandemia. Os país priorizaram o combate a Covid e esqueceram da vacinação contra outras doenças.Outros fatores: um número crescente de crianças que vivem em ambientes de conflito e de vulnerabilidade, onde o acesso à imunização é mais difícil. A queda da vacinação de doenças que possuem vacinas, vai gerar um maior número de mortes por doenças que já estavam quase extintas ou que baixa incidência.

O Ministério da Saúde acrescenta que a meta de cobertura da vacinação contra o sarampo é de 95% e, até o momento, 46,08% do público-alvo recebeu o imunizante.

Já a vacina tríplice viral faz parte do calendário de vacinação e é oferecida nas unidades de saúde a qualquer época do ano.