Mulher e mercado de trabalho no século 21

Mulher e mercado de trabalho no século 21

evento-21713-banner

Quais os desafios da mulher no mercado de trabalho no século 21? Nas últimas décadas do século XX, presenciamos um dos fatos mais marcantes na sociedade brasileira, que foi a inserção, cada vez mais crescente, da mulher no campo do trabalho, fato este explicado pela combinação de fatores econômicos, culturais e sociais.

Em razão do avanço e crescimento da industrialização no Brasil, ocorreram a transformação da estrutura produtiva, o contínuo processo de urbanização e a redução das taxas de fecundidade nas famílias, proporcionando a inclusão das mulheres no mercado de trabalho.Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) realizada pelo IBGE em 2007, a população brasileira chega a quase 190 milhões de brasileiros, com a estimativa de 51% de mulheres. Segundo dados do IBGE de 2000, a PEA (População Economicamente Ativa) brasileira, em 2001, tinha uma média de escolaridade de 6,1 anos, sendo que a escolaridade média das mulheres era de 7,3 anos e a dos homens de 6,3 anos.

 

Ainda nos dias de hoje é recorrente a concentração de ocupações das mulheres no mercado de trabalho, sendo que 80% delas são professoras, cabeleireiras, manicures, funcionárias públicas ou trabalham em serviços de saúde. Mas o contingente das mulheres trabalhadoras mais importantes está concentrado no serviço doméstico remunerado; no geral, são mulheres negras, com baixo nível de escolaridade e com os menores rendimentos na sociedade brasileira.

 

O total das mulheres no trabalho precário e informal é de 61%, sendo 13% superior à presença dos homens (54%). A mulher negra tem uma taxa 71% superior à dos homens brancos e 23% delas são empregadas domésticas. Necessariamente, a análise da situação da presença feminina no mundo do trabalho passa por uma revisão das funções sociais da mulher, pela crítica ao entendimento convencional do que seja o trabalho e as formas de mensuração deste, que são efetivadas no mercado.

O trabalho não remunerado da mulher, especialmente o realizado no âmbito familiar, não é contabilizado por nosso sistema estatístico e não possui valorização social – nem pelas próprias mulheres – embora contribuam significativamente com a renda familiar e venha crescendo. O que se conclui com os estudos sobre a situação da mulher no mercado de trabalho é que ocorre uma dificuldade em separar a vida familiar da vida laboral ou vida pública da vida privada, mesmo em se tratando da participação no mercado de trabalho, na população economicamente ativa.

O assunto foi tema do quadro “Saúde Coorporativa”, veiculado às segundas-feiras, pelo programa Saúde no ar, com transmissão pelas Rádios Excelsior AM 840  e  Web Saúde no ar e 

Ouça o comentário da Coach Joana Darc: 

[audiomp3=”http://www.portalsaudenoar.com.br/wp-content/uploads/2018/10/SAUDE-CORPORATIVA-MULHERES-DO-SEC-XXI-CRECIMENTO-DAS-MULHERES-NO-MUNDO-DOS-NEGOCIOS-JOANA-DARC.mp3″][/audio]

Acompanhe pelo portal http://www.portalsaudenoar.com.br e pelo aplicativo gratuito Rádio Saúde no Ar.Transmissão simultânea através do Facebook @portalsaudenoar. Participe pelo telefone (71) 3328-7666 e WhatsApp (71) 99681-3998.

Foto: internet

Fonte: Brasil Escola/ Joana Darck

Redação Saúde no ar

 

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *