Jogos criados por alunos da UFF ajudam idosos a exercitar a mente

Jogos criados por alunos da UFF ajudam idosos a exercitar a mente

Alunos bolsistas da Universidade Federal Fluminense,  (UFF), coordenados pela professora Débora Christina Muchaluat, criaram  jogos com o objetivo de exercitar a mente de idosos e identificar doenças mentais.

A ideia faz parte de um projeto mais amplo que envolve sistemas para auxiliar médicos a detectar doenças que, normalmente, ocorrem mais em idosos, como a demência e o Mal de Alzheimer, o chamado comprometimento cognitivo.

Os jogos foram desenvolvidos no Instituto de Computação da UFF, na área de multimídia.

O MemoGing é um jogo de memória no qual o paciente compara figuras geométricas com outras que aparecem na tela do computador. Já o Jogo do Stroop contribui para as pessoas exercitarem o cérebro, na medida em que apresenta palavras em cores variadas para que o idoso diga qual é a cor que está vendo e não o significado da palavra.

Os jogos foram testados em pacientes da médica geriatra Yolanda Boechat, no Hospital Universitário Antonio Pedro (HUAP/UFF), e em idosos que semanalmente vão ao Campo do Gragoatá da UFF realizar atividades e que, a princípio, não têm queixas de falta de memória.

“A partir daí, surgiu a ideia de aliar essa nossa expertise em multimídia multissensorial, aplicando a novos exercícios cognitivos que pudessem auxiliar o tratamento dessas doenças relacionadas a problemas de memória”, disse a professora da UFF.

A equipe do Instituto de Computação da UFF pretende também experimentar com o público idoso aplicações de realidade virtual.
e estimular os sentidos físicos
Jogos cognitivos efeitos sensoriais, que podem ser de luz, de calor, de frio, de vento, de água, e podem estimular outras percepções nos idosos. Essa estimulação, que os pesquisadores chamam de multimodal, pode estimular não só o sentido de audição e visão, mas também de olfato, de tato. “São outros sentidos que vão ser trabalhados de maneira conjunta”.
A equipe possui um equipamento exalador de aromas para estimular o olfato.”A gente pode usar o efeito de aroma para ajudar a fixar essas imagens que foram apresentadas e que vão ser perguntadas logo em seguida se foram mostradas ou não”, aformou Debora Christina.

De acordo com a literatura médica, essa estimulação cognitiva multimodal pode trazer uma série de benefícios, ajudando, por exemplo, a reconstruir as redes neuronais e, futuramente, a recuperar até parte do que foi perdido no cérebro

 

Fonte: Agência Brasil

 

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *