Insulina inalável pode ajudar no tratamento do diabetes

Marcando  a passagem do Dia Nacional do Diabetes nesta quarta-feira (26) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária liberou para o uso no Brasil da insulina inalável em oito formas de apresentação.

O medicamento ainda não existe no Brasil e será importado dos EUA.

. A insulina inalável começa a funcionar em 10 minutos no organismo e o efeito dura até 90 minutos.A insulina injetável pode demorar até 60 minutos para começar a fazer efeito e permanece ativa por até cinco horas no organismo.“Por um lado, se o paciente aplica a insulina injetável antes do almoço e o medicamento demora a agir, o nível de açúcar sobe muito no início da refeição. Muitas vezes, a comida foi ingerida, mas a insulina nem começou a agir. Por outro lado, se o efeito da insulina demora a passar, o paciente pode sofrer uma queda de açúcar mais adiante. A absorção dos alimentos já terminou, mas a insulina continua agindo”, explica  o médico Freddy  Eliaschewitz.. Ele trabalha no Hospital Israelita Albert Einstein e é diretor clinico do Centro de Pesquisas Clinicas, e trabalhou nos testes para o desenvolvimento da nova droga

A insulina é o hormônio que regula a glicose no sangue.Fora de controle Eliaschewitz descreve que já há cerca de 15 milhões de pessoas com diabetes no Brasil, mas 90% dos pacientes com o tipo 1 e 73% dos que sofrem com o tipo 2 “não têm controle sobre a doença”.

Segundo ele, o país poderá viver no futuro uma pandemia das complicações causadas pela doença, “que são penosas e custosas de tratar”, como o glaucoma, problema nos rins e disfunção erétil.De acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade (Ministério da Saúde), entre 2010 e 2016, mais de 406 mil pessoas morreram por causa do diabetes. No período, o número de mortes cresceu 11,8% por causa da doença, saindo de 54.877 mortes (2010) para 61.398

 

O jornalismo independente e imparcial com informações contextualizadas tem um lugar importante na construção de uma sociedade , saudável, próspera e sustentável. Ajude-nos na missão de difundir informações baseadas em evidências.Apoie e compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.