De 280 amostras de água mineral apenas uma passou no teste de microplásticos

Pesquisadores da Universidade de Columbia analisaram três marcas populares de água mineral nos Estados Unidos (cujos nomes não foram revelados) em busca de micro e nanoplásticos. Na pesquisa foi usada a  técnica  de Espalhamento Raman Estimulado, baseada na sondagem das amostras com dois lasers simultâneos ajustados para ressoar moléculas específicas.

Analisando sete plásticos comuns, os pesquisadores desenvolveram um algoritmo para interpretar os resultados.

Os pesquisadores descobriram  que um litro de água engarrafada contém 240 mil fragmentos de plástico detectáveis, entre 10 e 100 vezes mais do que estimativas anteriores. Foram  encontrado entre 110 mil e 370 mil fragmentos de plástico em cada litro, dos quais 90% eram nanoplásticos. Nesse sentido, é importante lembrar a diferença entre micro e nanoplásticos:
  • Microplásticos: aqueles cujo tamanho varia entre 100 nanômetros e cinco milímetros.
  • Nanoplásticos: aqueles cujo tamanho é igual ou inferior a 100 nanômetros.

Os plásticos mais comuns

Compostos por  tereftalato de polipropileno (ou Polietileno tereftalato), mais conhecido como PET – material do qual muitas garrafas são feitas.

“Provavelmente entra na água quebrando-se quando a garrafa é espremida ou exposta ao calor”, afirmam os investigadores, que citam outro estudo que sugere que também podem partir-se ao abrir e fechar repetidamente a tampa.

Outros plásticos encontrados:  poliestireno, cloreto de polivinila e polimetilmetacrilato.

Embora a presença do PET seja comum, esse plástico é superado pela poliamida, um tipo de náilon que “provavelmente vem dos filtros plásticos usados ​​para supostamente purificar a água antes de engarrafá-la”, diz Beizhan Yan, pesquisador do estudo.

. Segundo a Universidade de Columbia em seu comunicado, “os sete tipos de plástico que os pesquisadores procuraram representavam apenas cerca de 10% de todas as nanopartículas que encontraram nas amostras. Se todos forem nanoplásticos, poderão ser dezenas de milhões por litro”.

Outra pesquisa na Espanha:

Um estudo do CSIC e do Instituto de Saúde Global de Barcelona  foi feito usando  uma técnica para quantificar partículas entre 0,7 e 20 micrômetros, bem como aditivos químicos liberados na água, e para este estudo analisaram 280 amostras de 20 marcas comerciais de água. Apenas uma das marcas não continha microplásticos, e todas as 280 amostras continham aditivos plásticos.

Crustina Villanueva, pesquisadora do ISGlobal e uma das autoras do estudo.

“A principal diferença que encontramos é o tipo de polímero: na água da torneira encontramos mais polietileno e polipropileno, enquanto na água de garrafa detectamos principalmente tereftalato de polipropileno (PET), embora também polietileno”.

Considerando que bebemos dois litros de água por dia, os autores estimam “uma ingestão de 262 microgramas de partículas de plástico por ano”. Em relação aos aditivos, foram detectados 28 aditivos plásticos, principalmente estabilizantes e plastificantes. Segundo os pesquisadores, “nosso estudo de toxicidade mostrou que três tipos de plastificantes apresentavam maior risco à saúde humana e, portanto, devem ser considerados nas análises de risco para os consumidores”.

O jornalismo independente e imparcial com informações contextualizadas tem um lugar importante na construção de uma sociedade , saudável, próspera e sustentável. Ajude-nos na missão de difundir informações baseadas em evidências.Apoie e compartilhe