Controle da Leptospirose - Ligue 156

Controle da Leptospirose - Ligue 156

O lixo acumulado, as chuvas, esgotos abertos nas ruas, falta de saneamento básico, aumenta os casos de Leptospirose.

De janeiro até abril deste ano, foram registrados 26 casos suspeitos de leptospirose em Salvador. A chefe do setor de combate à leptospirose, Cristiane Yuki, reforça a necessidade de a população fazer a própria parte. “A intervenção química é um paliativo. Os ratos vão morrer. Mas, se a população continuar acumulando entulhos, descartando lixos e alimentos de forma inadequada, outros ratos irão aparecer. É um trabalho que deve ser feito em conjunto. A população precisa se educar para que, juntos, possamos combater a proliferação dos roedores e da doença”, ressaltou.

O Programa de Controle da Leptospirose atua em espaços públicos, como praias, estádios de futebol, estações de transbordo, vales e mercados. As solicitações podem ser feitas pelo Fala Salvador 156 ou através de ofício.

Doença – Causada pela bactéria do gênero leptospira, a leptospirose é uma doença infecciosa aguda que acomete humanos e animais. O principal reservatório da doença são os roedores, que abrigam a bactéria nos rins, eliminando-as no meio ambiente através da urina. Uma das principais formas de infecção é pelo contato com água e lama contaminada. A penetração da bactéria ocorre pela pele lesada, mucosas da boca, narinas e olhos, podendo ocorrer pela pele íntegra quando fica imersa na água por muito tempo.

Sintomas e tratamento – Ao perceber sintomas como febre, dor muscular na panturrilha, pigmentação amarela ou verde da pele, vômitos, diarreia, dor de cabeça, calafrios, alteração do volume urinário, conjuntivite e sangramento é preciso se dirigir rapidamente à unidade de saúde mais próxima. Se o paciente foi exposto à lama, água da chuva, fossa, esgoto ou terrenos alagados, deve informar a situação ao profissional de saúde durante o atendimento, para facilitar o diagnóstico. A leptospirose pode levar à morte, portanto, quanto mais rápido for o atendimento, maior as chances de recuperação.

Fonte: Secom – PMS

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *