Brasil gera 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano

Brasil gera 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano

Dados divulgados nesta sexta- feira (08) pelo  Panorama dos Resíduos Sólidos, da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), informa que  em 2018, no Brasil,  foram geradas 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos, um aumento de pouco menos de 1% em relação ao ano anterior. Desse montante, 92% (72,7 milhões) foram coletados – uma alta de 1,66% em comparação a 2017, o que mostra que a coleta aumentou num ritmo um pouco maior que a geração. 40% do lixo produzido no Brasil,  foi despejado em locais impróprios e perigosos para  à saúde.

“Os números mostrados no panorama colocam o Brasil numa posição muito abaixo de outros países que estão no mesmo nível de renda do Brasil. O nosso déficit é muito grande e nós precisamos realmente de medidas urgentes para não só recuperar esse déficit, como avançar em direção a melhores práticas de gestão de resíduos sólidos”, disse o presidente da entidade, Carlos Silva Filho.

“Há uma consolidação na geração de resíduos sólidos, o que não está sendo acompanhada na oferta da infraestrutura necessária para lidar com todos esses resíduos. O que a gente percebe é que a geração de lixo aumenta no Brasil, mas a destinação adequada, a reciclagem, a recuperação, não acompanham esse crescimento na geração”, avaliou Silva Filho.e

Existe  um contingente considerável de pessoas que não são alcançadas por serviços regulares de coleta porta a porta: 1 em cada 12 brasileiros não tem coleta regular de lixo na porta de casa.

Falta de recursos destinados para custeio dos serviços de limpeza urbana que, em 2018, registrou queda de 1,28% de investimentos, além da perda de quase 5 mil postos de trabalho direto/formal.

Ocorreu um aumento da geração de lixo e uma redução dos investimentos para que ocorra uma destinação adequada do lixo. Com isso existe um aumento dos “Lixões” e contaminação do solo e dos lençóis  de água.

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *